© 2019 por Noisestudio. Todos os direitos reservados. 
  • Instagram Social Icon
  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
 

Höröyá é um grupo de música instrumental, da cidade de São Paulo, Brasil, composto por nove integrantes, entre brasileiros e africanos, que tem como influência: culturas tradicionais de países do oeste africano, como Guiné, Mali e Senegal; diversas vertentes afro-brasileiras, como o samba e toques de candomblé; o afrobeat da Nigéria e de Gana e a musicalidade afro norte-americana, como o funk e o jazz.

A instrumentação segue a diversidade cultural das influências, com diversos timbres nas composições. Instrumentos tradicionais africanos como ngoni, dunun, djembe, balafon, krin, sabar e tama, soando junto com a brasilidade dos atabaques, berimbaus e cuíca, e a contemporaneidade de guitarras, baixo, saxofones, trombones e trompetes, o grupo propõem uma nova musicalidade, resignificando origens e influências das matrizes africanas.

Höröyá é uma palavra de origem Mandeng, cultura do oeste da África, que significa "liberdade", “autonomia”, “dignidade” e foi o termo usado durante a luta anti-colonialista na Guiné, para a afirmação de seus caminhos e ideais.

 

The band is from São Paulo and formed by Brazilian and West African musicians, connecting different cultures and establishing a dialogue between Brazil and the African continent. André Ricardo, multi instrumentalist, is the creator of the group and the conception of the musicality.

 

Behind Höröya's musical force is a powerful mix of percussion instruments from different cultures, such as sabar, atabaque, djembe, cuica and dunduns.

They share space with instruments of African Griots, including balafon and ngoni, along with guitars, bass, trumpet and saxophones.

 

Höröyá’s music creates a permanent contact between different traditions, while keeping their essence. Through music, Höröyá reinterprets in a new format the origins and influences of the African and Afro-Brazilian cultures.

 

Höröyá in the Mandeng language means “freedom” or “autonomy”.